Lallybroch: Livro x Série de TV- Episódio 04: Of lost things
04 outubro 2017

Livro x Série de TV- Episódio 04: Of lost things

Contém spoilers do episódio e dos livros

Episódio 04: Of lost thingS



De volta com o episódio 04 desta temporada, “Of lost things” adapta os capítulos catorze (Geneva), quinze (Por falta de sorte), dezesseis (Willie), uma informação do capítulo três (Frank e a revelação completa), pequenos acontecimentos dos capítulos sete (Fé nos documentos) e dezoito (raízes) e um trecho do capítulo 59 (Quando há grandes revelações).


Jamie (1756-1764)



Jamie é introduzido ao Lorde Dunsany de maneira um pouco diferente da do livro. No capítulo catorze, quando John chega à propriedade a família já está na residência, enquanto em “Of lost things”, eles retornam de uma viagem para Itália um tempo depois que Jamie já está prestando seus serviços de cavalariço lá. Com isso, assim que chega Lorde Dunsany pede para falar com ele. Já no livro, a família conversa com Lorde John, quando Lady Dunsany se distrai dando ordens ao mordomo, Lorde Dunsany pergunta pelo prisioneiro. Grey informa que o deixou no vestíbulo, pois não sabia o que o senhor da casa pretendia fazer com ele. Lorde Dunsany fala que fará de Jamie um cavalariço como ele havia sugerido, mas que não diria a sua esposa quem Jamie era, já que ela tinha medo dos highlanders e nunca havia se recuperado da morte do filho Gordon. No episódio, Dunsany diz algo semelhante diretamente a Jamie, o qual comenta que nunca uma pessoa se recupera completamente após ter perdido um filho e que ele havia perdido dois. Achei bonito esse acréscimo de conversa em que Jamie lembra-se dos filhos que ele nunca havia conhecido. Faz um bom paralelo com o filho que ele iria ganhar naquela propriedade, mas que também iria, de certa forma, iria perder.


Em Helwater, Jamie ou Alex Mackenzie como era lá conhecido, estava tendo uma existência pacífica, com exceção de Geneva, um das filhas de Dunsany que resolveu aproximar-se dele e perturbar essa paz.

“Bonita, mimada e aristocrata, lady Geneva estava acostumada a conseguir o que queria, quando queria, e dane-se quem estivesse em seu caminho. Era uma boa amazona- Jamie reconhecia-, mas tão caprichosa e ferina que os cavalariços costumavam tirar na sorte para determinar quem teria a infelicidade de acompanhá-la em sua cavalgada diária. Ultimamente, entretanto, lady Geneva andava ela mesmo escolhendo seu acompanhante- Alex MacKenzie”


No episódio, Geneva fala pela primeira vez quando sai em busca de um cavalo e um cavalariço para acompanha-la em seu passeio; e como descrito no livro, os homens tiram a sorte para ver quem vai sofrer esse fardo. Até que um dia, após saber de seu casamento arranjado com o Conde de Ellesmere, um homem com idade de ser seu avô, ela requisita especificamente pela companhia de Mackenzie. No capítulo, a escolha do acompanhante já havia começado mesmo antes da proposta ser mencionada para os leitores, e Geneva já demonstrava uma espécie de paixonite por Jamie, que era zoado por isso pelos outros cavalariços. No capítulo catorze, Geneva menciona seu casamento para Jamie quando ele está “espalhando bosta” de cavalo. No episódio, além de Jamie ter visto o noivo e ouvido a conversa, Geneva pergunta o que ele acha do prometido dela durante a cavalgada deles. A cena em que Jamie está espalhando estrume aparece no episódio, mas ela é usada diretamente para o momento em que ela chantageia-o para que vá ao seu quarto tirar sua virgindade. Ela pergunta se ele já foi casado e Jamie responde que sim, a isso ela diz “Ótimo, então saberá o que fazer”. Essa pergunta também é feita no diálogo do livro, mas a chantagem não é mesma. No livro, Geneva chantageia Jamie ameaçando entregar uma carta de Jenny ao seu pai; nas telas, ela ameaça contar a sua mãe a verdadeira identidade de Jamie e comenta sobre seus parentes em Lallybroch, tendo descoberto tudo por meio de um Lorde Melton bêbado, que havia visitado a propriedade junto com seu irmão Lorde John.







Vamos adentrar então na cena de sexo entre Jamie e Geneva. Essa foi uma mudança que a série fez que eu não consigo nem expressar o quanto eu gostei. Eles conseguiram fazer a relação entre os dois de uma forma claramente consensual e respeitosa. No livro, há uma relativização do consentimento que tem gerado polêmica ao longo dos anos. Em um determinado momento, em que eles estavam iniciando o ato sexual, Geneva pede para Jamie parar e ele diz que não e continua. No episódio, além de isso não acontecer, Jamie pergunta se ela tem certeza do que quer e ela confirma. Amei. Enquanto muitas séries tendem a transformar cenas de sexo dos livros em estupro, Outlander conseguiu fazer o contrário, transformar uma cena de um possível estupro (já que o consentimento foi retirado por meio de um “pare”) em sexo totalmente e sem sombra de dúvidas consensual (pelo menos da parte dela). O resto do diálogo da cena no episódio foi em parte retirado do livro, com algumas pequenas modificações que honestamente só tornaram a sua construção mais agradável e que foram feitas com um intuito, imagino eu, de não deixar a cena muito extensa.



“- Ooh!- exclamou Geneva. Seus olhos arregalaram-se.
-Uh- ele resmungou, penetrando-a um pouco mais fundo.
-Pare! É grande demais! Tire!- Em pânico, Geneva debatia-se sob ele. Imprensados sob seu peito, seus seios agitavam-se e roçavam-se nele, de modo que seus próprios mamilos eriçaram-se abruptamente numa brusca sensação.
Os esforços dela estavam conseguindo à força o que ele tentara fazer com delicadeza. Atordoado, ele lutava para mantê-la sob ele, enquanto buscava loucamente algo para dizer que pudesse acalmá-la.
- Mas...- ele começou.
- Pare!
-Eu!
- Tire isso já!- ela gritou.
Ele tampou sua boca com uma das mãos e disse a única coisa coerente que lhe ocorreu.
- Não- disse categoricamente e avançou.”


O capítulo quinze (Por falta de sorte) inicia-se com uma tempestade. Hughes, o chefe do cavalariços, chama Jamie para levar os Dunsany a Ellesmere. No episódio, é Isobel quem o chama já avisando que a irmã estava enfrentando uma situação difícil. No livro, os criados da casa contam a Jamie que o conde tinha tratado Geneva bem até saber de sua gestação. Começaram então inúmeras brigas, pois Ellesmere afirmava que o bebê não era dele. Os criados supunham que o chefe fosse impotente, de qualquer forma sabiam que na noite de núpcias não havia sangue nos lençóis. Foram os criados também que contaram a Jamie sobre a morte de Geneva. No episódio, a notícia é contada por Isobel. A morte de sua irmã é descrita a Jamie de forma semelhante ao livro, mas algo é acrescentado. Isobel sabia que Geneva havia se deitado com Jamie e fica com raiva dele, dando-lhe uma tapa na cara. Jamie então é chamado pela criada para ajudar o patrão. No livro, ele e Jeffries, o outro cavalariço, são chamados. Ellesmere discutia com Dunsany dizendo que o menino era um bastardo e que ficaria com ele já que pagou por ele. A discussão em si é parecida com a do episódio com exceção que inicialmente Ellesmere não ameaçava a vida do bebê, Dunsany e ele começaram uma luta corpórea que é separada por Jamie e quem porta as pistolas é Jeffries. O bebê é trazido por uma criada e avô e suposto pai brigam para ver quem ficará com ele. Ellesmere então pega o bebê e ameaça jogá-lo da janela se Dunsany não for embora da sua casa. É então que Jamie pega uma das pistolas de Jeffries, atira em Ellesmere e agarra o bebê.



A conversa que ocorre entre Lady Dunsany e Jamie sobre sua condicional acontece no estábulo no livro; já na série é na parte externa da casa, enquanto as mulheres da família passeavam com o pequeno Willie. Ele decide ficar na propriedade para poder assistir a Willie crescer. Enquanto no livro, Lady Dunsany diz que a o marido não tem mais influência em Londres, mas John tem e pode conseguir a condicional; no episódio, seu marido ainda mantém a influência e ele é quem conseguirá essa liberdade.


“Não ser mais um estranho. Deixar para trás a hostilidade e a solidão, chegar a Lallybroch e ver o rosto da sua irmã iluminar-se de alegria ao avistá-lo, sentir seus braços em torno de sua cintura, o abraço de Ian em torno de seus ombros e as mãos das crianças, agarrando-o, puxando-o pelas roupas.

Ir embora, e nunca mais ver ou ouvir o seu próprio filho. Olhou fixamente para Lady Dunsany, o rosto impassível, indecifrável, de modo que ela não percebesse o turbilhão de emoções que a sua oferta desencadeara em seu íntimo.

Ele havia, finalmente, descoberto o bebê ontem, dormindo num cesto perto da janela de um quarto no segundo andar. Precariamente empoleirado num galho de um enorme abeto norueguês, ele estreitara os olhos para ver melhor através da cortina de agulhas de abeto que o ocultavam.

O rosto da criança só era visível de perfil, uma bochecha gorducha descansando sobre o ombro coberto de babados. A touca se deslocara para o lado, de modo que ele pôde ver a curva lisa do minúsculo crânio, coberto com uma leve penugem louro-clara.

‘Graças a Deus que não é ruivo.’, fora seu primeiro pensamento, persignando-se em seguida num agradecimento.
‘Meu Deus, ele é tão pequeno.’, foi seu segundo pensamento, associado a uma intensa necessidade de entrar pela janela e pegar o bebê no colo. A cabeça lisa, tão bem torneada, caberia perfeitamente na palma de sua mão. Pôde sentir, na lembrança, o corpinho agitado que ele segurara por tão pouco tempo junto ao coração. (...)
Lady Dunsany aguardava pacientemente. (...)
- Agradeço-lhe, Milady, mas... acho que não devo ir... por enquanto. (...)
- Como quiser, MacKenzie. Só tem que pedir.”


O capítulo dezesseis (Willie) dá um pequeno salto no tempo e encontramos Jamie com um Willie já um pouco crescido. A cena do episódio em que Lady Dunsany comenta com sua amiga que Willie fica tanto tempo com o cavalariço que está começando a parecer-se com ele também ocorre no livro. É quando Jamie reconhece o perigo de ficar próximo ao seu filho, decidindo então voltar para casa. Assim, como no livro, em “Of lost things”, Willie não aceita bem a partida do seu grande amigo. Eles discutem de uma forma semelhante a da série, parte do diálogo foi extraído do livro e parte acrescentado. Jamie dá um rosário para Willie lembrar-se dele, enquanto no episódio, Jamie lhe dá uma cobra semelhante ao que irmão havia lhe presentado. No livro, quando Jamie entrega o rosário, ele explica que é um “maldito papista” como Lady Dunsany chamava e batiza Willie como “William James” já que o menino decidiu que quer ser papista também como na série. Essa cena ficou muito próxima a do material original. Eu preferia que eles tivessem utilizado o rosário em vez da cobra, mas a explicação que a produção deu foi bastante compreensível. O rosário estava com Jamie desde Lallybroch, mas indo para uma prisão, eles teriam o confiscado lá, principalmente um rosário papista. Pensando de forma lógica, ele deveria ter perdido o rosário em Ardsmuir. Nem sempre DG percebe esses pequenos detalhes e a história acaba ficando com alguns “furos”.


A cena em que Lorde John e Jamie conversam sobre como Lorde John concorda que Jamie deve partir, porque Willie e ele são muito parecidos, e qualquer pessoa pode perceber isso também ocorre no livro, mas no capítulo 59 (Quando há grandes revelações). Assim, como o momento em que ele informa Jamie que casará com Isobel e será padrasto de Willie. Isso aparece no livro em uma espécie de flashback que John conta a Claire. A diferença principal é que em vez de um aperto de mão no final, eles selam o acordo com um beijo na boca. Eu achei que a cena ficou muito bem feita e os atores expressaram uma emoção de arrepiar. Eu consegui sentir a força daquela amizade nos ossos, apesar de não ter visto o beijo entre eles dois. Espero que incluam isso em algum outro momento, talvez da mesma forma que no livro, com John contando para Claire.


Em um momento do episódio, eles retrataram Lorde John e Jamie jogando xadrez. No livro, eles apenas jogavam xadrez oralmente, uma vez que não tinham um tabuleiro.


Originalmente, o leitor não sabe se Lady Isobel tinha conhecimento que Jamie era pai de Willie. Ela não fala isso para ele diretamente, mas Geneva era sua irmã, então não seria algo absurdo que elas compartilhassem segredos. Na verdade, Isobel nem aparece muito e eu gostei que a produção tenha expandido o papel dela. A atriz era muito boa. Criaram uma Isobel mais madura, com falas reflexivas e coerentes, que possibilitaram aproximar a família Dunsany mais do espectador. Acredito que eles tenham colocado Isobel sabendo sobre a paternidade de Willie uma vez que o ator que interpreta Willie não era tão parecido assim com Jamie como no livro, apesar dos mexericos criados no roteiro. Além de que condiz com esse papel de Isobel mais humana e mais próxima do telespectador que eles criaram. Outro detalhe é que Isobel não era apaixonada por Lorde John como na série, mas o casamento provou ser algo adequado para ambos.


A atriz escolhida para fazer Geneva (Hannah James) estava perfeita. Ela conseguiu passar o ar de menina mimada e rica exatamente como no livro. Assim como o casting de Lorde John foi incrível, o dela também foi. Essa temporada está trazendo atores excelentes. Ela pareceu do jeitinho que eu imaginava e conseguiu me transmitir os mesmos sentimentos da leitura. Quanto ao ator que interpreta Willie, eu não o achei parecido com Sam, mas como é uma criança imagino que seja difícil encontrar uma que atue bem e seja parecido com seu co-star. Willie é um personagem que em geral me irrita na maior parte do tempo. Acho-o muito detestável e mimado (bem parecido com a mãe nesse aspecto), e os roteiristas e o ator conseguiram me fazer gostar um pouquinho dele nesse episódio.






O modo como o personagem é retratado na tela é resultado não apenas da atuação, mas também do roteiro. Muitas vezes reclamei que por mais impressionantes que sejam os três atores principais, o fato dos roteiristas mudarem a essência de seus personagens, acrescentando atitudes por vezes opostas ao seu caráter ou muito distintas do que eles fariam me incomodava muito. Neste episódio, eu enxerguei a Geneva de “O Resgate no mar” e, por enquanto, eles estão mantendo meu John como no livro. Exceto aquele cabelo que está competindo com o vestido de A Bela Adormecida para saber com que cor vai ficar... loiro... castanho.... loiro.... castanho, estava esperando a qualquer momento aparecer uma fada Primavera e outra Flora com varinhas em riste, gritando “melhor loiro!”, “melhor castanho!”. Produção, decida-se porque isso está estranho. O cabelo não pode ficar mudando de cor como em um passe de mágica.



Claire (1968)



No início do episódio, Fiona cita a lenda do Dunbonnet e cogita a possibilidade de ele ser “Jamie, o ruivo”. No capítulo três, é Brianna quem trás a tona o mito dessa figura histórica e que ele poderia ser seu pai; enquanto na série, ela acredita que isso realmente seja uma lenda. No capítulo sete, a história do Dunbonnet volta à pauta pelas contos de Fiona. No episódio, ele é apenas mencionado, a narrativa de sua lenda não é contada. É neste capítulo também que Claire descobre que Jamie esteve na prisão de Ardsmuir entre 1753 a 1756, ela encontra isso enquanto pesquisava de madrugada sozinha; no episódio, a filha e Roger também estavam presentes já que ainda estavam em seu momento diurno de pesquisa. Quando Fiona conta a lenda, ela diz que o Dunbonnet armou um plano para se entregar aos ingleses de forma que seus arrendatários ficassem com o ouro de recompensa. Olhando a lista de prisioneiros, ela acha o seu nome em Ardsmuir. Sabendo que Jamie estava em Ardsmuir até 1756, eles precisam estabelecer onde ele estava em 1766, e aí outra parte da pesquisa começa.

Os roteiristas resumiram os capítulos da pesquisa de Roger, Brianna e Claire para encontrar Jamie, o que foi uma coisa boa porque esses capítulos são bem enfadonhos. No episódio, após descobrirem que Jamie estava em Ardsmuir até 1756, eles passaram a procurar por seu nome nas listas de passageiros de navios, acreditando que possivelmente ele havia sido enviado para as Colônias. Quando não encontram nada, Claire e Brianna desistem e voltam para Boston. No capítulo dezoito, Claire retorna para Boston sem Brianna, que continua na Escócia. Dra. Randall tem que resolver algumas pendências na sua vida (suas férias haviam acabado) e queria conversar com Joe, enquanto sua filha e Roger continuam a pesquisa.

Uma modificação importante que fizeram e que foi (talvez) sanada neste episódio foi em relação às pérolas de Ellen. No livro, Claire havia as guardado e depois as entrega a filha, que as utiliza como prova para atestar que Claire era sua mãe em “Tambores do Outono”. Na série, Claire havia se livrado de todos os bens materiais que a lembravam de Jamie com exceção da aliança. Para trazer as pérolas de volta, eles fizeram Fiona, neta da Sra. Graham, devolver as pérolas a Claire. Posso apenas supor (e torcer!) então que a produção retornou o colar para Claire realmente o entregar a Bree.






O final do episódio foi um dos mais bonitos até agora. A trilha sonora combinou perfeitamente com o sentimento de despedida em ambos os períodos históricos. Jamie, que já havia perdido Claire, e duas filhas, agora dizia adeus para mais um filho; e talvez o mais difícil, ele dizia adeus para um filho que ele chegou a conhecer por seis anos. Dizia adeus para seu melhor amigo e para a identidade que havia tomado em Helwater, Alex Mackenzie, mas ganhava Lallybroch e parte da sua família de volta. Claire perdeu mais uma vez o seu grande amor e a esperança de encontrá-lo. Deu adeus a Roger e à Escócia, mas recebeu de volta mais uma coisa perdida: as pérolas, e o mais importante, um relacionamento mais verdadeiro com a filha Os Dunsany perderam a filha, mas ganharam um neto. Lorde John separou-se do amigo e grande amor, mas ganhou uma família; e não qualquer uma, ,mas uma que carregava os mesmos olhos azuis puxados e a mesma teimosia de seu parceiro de xadrez. Willie perdeu o amigo; a figura heroica que enxergava no seu querido Mac, mas ganhou um pai. “A vida é a perda lenta de tudo o que amamos”, pode até ser assim, mas algumas coisas são perdidas para que outras possam ser achadas. Parafraseando Cervantes, só se perde tudo quando se perde a coragem, e isso nossos personagens têm de sobra. É essa coragem que vai trazer Claire de volta para Jamie. E nós aguardamos ansiosos por esse reencontro.

Por Tuísa Sampaio

Comentários via Facebook

6 comentários:

  1. Ótima review, como sempre! Me espanta o quantl você sabe do livro... citaçoes, e em que capíulo cada coisa acontece, tantos detalhes! Mesmo lendo com atençao, é fácil esquecer/confundir/misturar os detalhes... incrível mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada! Eu já li os livros umas três vezes, mas quando eu vou fazer as resenhas sempre os pego para consultar, por isso que eu consigo colocar as citações, senão não lembraria kkk.

      Excluir
  2. Tuísa, meu "assistir" da série só se completa depois dessas tuas resenhas. Parabéns!!!

    ResponderExcluir

Lallybroch - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2016