Lallybroch: Livro x Série de TV- Episódio 08: First Wife
09 novembro 2017

Livro x Série de TV- Episódio 08: First Wife


Contém spoilers do episódio e dos livros


Episódio 08: First wife


First Wife” abarca trechos dos capítulos 32 (A volta do filho pródigo), 33 (Tesouro enterrado), 34 (Papai), 35 (Fuga do Éden), 36 (Bruxaria prática e aplicada), 37 (O significado de um nome), 38 (O encontro com o advogado), 39 (Perdido e pranteado pelo vento) de O Resgate no mar. Em suma, foram pulados os capítulos 30 e 31, enquanto foram colocados nos episódios os acontecimentos principais da parte 7 (De volta ao lar) do livro.



De volta a Lallybroch: “First wife” pulou os trechos do livro referentes à viagem e já apresentou os personagens chegando a Lallybroch. No capítulo 32, quem primeiro os recebe é a pequena Janet, momento em que faz a brincadeira sobre o rosto do irmão estar sujo, a qual ele responde dizendo que é a sua barba crescendo. No episódio, isso ocorre quando ele está fazendo o trabalho com o qual foi castigado por ter fugido de casa. No livro, ele realmente leva a surra, assim como seu tio. A recepção de Claire por Jenny não é “seca” como nas telas. De primeira, Jenny fica emocionada ao rever a sua cunhada após vinte anos. Nesse reencontro, Claire percebeu que havia uma troca de olhares entre os Murray e Jamie, mas não sabia a causa disso. Jovem Ian tinha seguido a irmã para se limpar, então não estava na sala neste momento (contrário do que ocorreu na série de TV). Jamie comenta então que trouxe o menino para casa. O pai vai procurar o filho pela casa e o traz para a sala. Na conversa entre os pais e o jovem Ian, Jenny estava mais calma que no episódio. Acho que mais acalentada pelo fato de ele ter voltado e não tão raivosa pelo encontro com Claire como a adaptação fez parecer. Também é mencionado que jovem Ian havia deixado uma carta informando aos pais que havia ido para Edimburgo. É Ian quem dá o sermão no filho sobre a decepção que foi ele ter fugido novamente e o manda lá para fora para aguardar a surra, Jamie entra então em defesa do sobrinho. É quando Jenny começa a perder as estribeiras e discuti com o irmão dizendo que ele fez o filho trabalhar com criminosos, e Jamie responde que ela sabia que o dinheiro que ele enviava não vinha da impressão de salmos. Em suma, parte da discussão que foi vista nas telas foi retirada deste trecho. Ian menciona então que o garoto adorava o tio, essa citação aparece no episódio apenas quando jovem Ian está cumprindo seu castigo. Eles continuaram a discussão quando Jamie diz que acha que jovem Ian não deve ser surrado como um garotinho, uma vez que ele já comportava como um homem. Ian disse que não iria voltar atrás em sua palavra, mas afirma que quem vai dá a surra em jovem Ian é Jamie. A cena da surra tem um ar cômico. Jovem Ian e Jamie conversam sobre qual deveria ser a quantidade certa de chibatadas. Quando acabou, Jamie diz ao jovem Ian que é a vez dele de apanhar, pois ele havia errado tanto quanto o garoto. No capítulo 33 (Tesouro enterrado), Jamie conta a Claire sobre o ouro do francês e sua conversa com Duncan Kerr. No episódio, a produção escolheu mostrar essa história também por meio de um flashback de Jamie procurando por Claire, sua dama branca. O diálogo em si no livro é mais extenso que na adaptação e envolve uma história mística sobre Jamie ouvir a mãe falando com ele e encontrar uma foca o encarando.



A segunda esposa: No outro dia, quando Jamie estava mergulhado nas coxas de Claire, Marsali os surpreende com um grito de “Papai!”. No episódio, ainda era noite, e não apenas Marsali, mas sua irmã também os surpreende no quarto e é a pequena Joan quem solta o grito, em seguida entra Laoghaire, a segunda esposa. Na adaptação, momentos antes Jamie estava preparando Claire para o que eu acredito seria a revelação de seu casamento com Laoghaire. O grito de Marsali termina o capítulo 33. O capítulo 34 (Papai) inicia-se com o questionamento de Claire sobre o “papai”. Laoghaire chega ao quarto um tempinho depois e chama Claire de bruxa sassenach, como na adaptação. No capítulo, Laoghaire tenta jogar um vaso em Claire, e Jamie expulsa-a do quarto dizendo que falará com ela depois. Jamie tenta se explicar, mas Claire não acredita que ele seja capaz disso. Abrindo um parêntese antes de seguir para a briga deles: o episódio foi muito bem feito, muito da essência do livro estava presente, o seu maior defeito na verdade não estava contido nele próprio, mas nas consequências de uma divergência do livro que foi apresentada ainda na segunda temporada. A produção achou interessante que Jamie tivesse a informação de que Laoghaire havia sido a pessoa que havia mandado Claire para fogueira. E MESMO ASSIM ELE CASOU COM ELA!!!! No livro, o casamento de Laoghaire com Jamie é mais tolerável pelo fato de ele não saber desse ato da jovem. Claire só conta para ele isso no quinto livro, e ele afirma para ela que se soubesse disso não teria se casado com Laoghaire. Então, como é que ele casa??????? Honestamente, os produtores se enrolaram muito com essa mudança, tornando a construção de um motivo para esse casamento muito mais difícil que a solidão de Jamie. Ele não casou meramente com um antigo namorico de adolescência, o que ainda teria certa lógica, ele casou com a mulher que tentou matar o grande amor da vida dele. Quiseram inserir a ideia de que ele casou com ela por um carinho pelas filhas dela. Tanto carinho que quando o casamento não deu certo, ele se mandou para Edimburgo, onde estaria longe não apenas da esposa, mas das enteadas também. Fechando o parêntese, e voltando para a cena da briga entre o casal, o modo como o “barraco” deles foi retratado na tela foi bastante semelhante ao do livro, só que um pouco menos violento e com menos xingamentos entre eles. No capítulo, após expulsar Laoghaire do quarto (antes disso, ela havia conseguido arranhar o rosto do marido), Claire tentava colocar a roupa enquanto Jamie explicava que Marsali e Joan não eram filhas biológicas dele. Ele sai do quarto para resolver as coisas com Laoghaire. No episódio, ele conversa com Joan, e quando volta Claire está arrumando-se para ir embora, é quando então começam a brigar. No capítulo, quando está sozinha, Claire chora por Brianna porque ela sentia que isso era uma traição tanto a filha quanto a ela (ela ainda achava que as meninas eram dele, quando ele afirma novamente que não são é que ela se sente aliviada). Quando Jamie retorna, Claire não deixa que ele a toque, e ele pergunta se ela não vai lhe deixar explicar. Eles seguem a discussão, as partes que foram acrescentadas no episódio são em relação às mudanças feitas na série como o fato de Jamie saber que Laoghaire tentou mandar Claire para fogueira ou o cabelo ruivo de Joan (no livro é castanho). O capítulo termina com Jenny jogando um balde d’água em cima deles como no episódio. No capítulo 35 (Fuga do Éden), Claire está decidida a ir embora de Lallybroch. Caitriona (Claire) estava ótima não apenas nessas cenas, mas no episódio inteiro. Eu não apenas pude sentir sua revolta e sua dor, como também a compartilhava e queria ser eu mesma a dá na cara daquele traidor de uma figa (a tapa me representou). Como no episódio era noite, ela teve que esperar até a manhã seguinte para partir. No livro, Jamie sai do quarto, e Jenny fica arrumando os cacos do vaso quebrado. A pequena Janet aparece com biscoitos e uísque e pergunta se a tia está bem. Algo que me incomodou um pouco no episódio é que enquanto no livro, todos os filhos de Jenny já haviam ouvido falar de Claire, e quando ela retorna, eles a chamam por tia (os que estavam presentes); no episódio é como se o nome dela nunca mais tivesse sido mencionado, e ela fosse uma completa estranha. Em “First Wife”, Jenny apresenta Claire ao jovem Jamie como alguém que viveu em Lallybroch quando ele era pequeno. Isso não apenas não condiz com o livro, mas com os episódios anteriores quando jovem Ian comenta com Claire que havia escutado histórias sobre ela em Lallybroch. Mais à frente, Claire comenta com jovem Ian que ele é o único que a chama de tia ali. Imagino que a produção talvez quisesse destacar o quão facilmente jovem Ian aceitou Claire, fazendo com que ela fosse uma figura mais afastada da família, mas acho que para isso eles teriam que ter tirado a fala do rapaz sobre já ter ouvido falar sobre ela quando eles se conhecem. Ainda no capítulo 35, quando a pequena Janet está no quarto com Claire, Jenny sai para procurar um vestido para Claire. Momento então que a menina pede desculpas à tia por ter avisado a Laoghaire da sua presença e conta que foi a mãe quem mandou que ela fizesse isso, como no episódio. Agora vem uma diferença, quando a pequena Jenny sai do quarto e a mãe volta, Claire fala que quer ir embora e a isso Jenny responde “Acho que é melhor”. Em “First Wife” quando Jenny chega ao recinto que Claire está, a conversa é outra. Achei interessante colocarem Claire contando sobre o outro marido para Jenny, pareceu que isso a ajudou a entender um pouco mais o lado de Claire, mesmo ela não a perdoando completamente. Nesse momento, Claire guarda a informação sobre Brianna, acredito que teria sido difícil explicar uma filha que ela achava que os Murray nunca iriam conhecer. Qual seria a justificativa que ela poderia dar para que a filha nunca viesse conhecer a família quando ela mesma estava ali? Voltando ao livro, Jenny entrega um cavalo a Claire, que parte para retornar ao seu tempo. No episódio, Claire não chega a ir embora, pois quando ela estava saindo, Jamie a encontra e tenta impedi-la, é quando Laoghaire aparece e atira nele. No livro, jovem Ian vai atrás de Claire e conta que Laoghaire havia atirado no tio e que era necessário que ela voltasse porque ele estava morrendo, e assim ela retorna para salvar a vida dele.



No capítulo 36 (Bruxaria prática e aplicada), Jenny já havia retirado a bala quando Claire chega (e fica bem chateada da cunhada ter retornado na verdade), mas Claire tem que curar sua febre. Enquanto, Jamie ardia, ele passou achar que Claire era uma alucinação. Quando percebeu que não era, Claire entra na sua função médica e o trata como seu paciente. Jamie finalmente explica pra Claire por que ele casou com Laoghaire. O diálogo na adaptação é um pouco modificado, mas parte dele foi extraído dos capítulos 36 e 37. A história entre Jamie e Laoghaire é um pouco mais detalhada no livro. Jamie conta que por meio de Ned Gowan, que estava ajudando Laoghaire a tentar recuperar as terras do falecido marido, Jenny ficou sabendo de Laoghaire. Jenny então a convidou juntamente com as filhas para passar o Hogmanay (ano novo escocês) em Lallybroch . Essa parte assim como no episódio é parcialmente contada por meio de flashback, mas no livro é a própria Laoghaire quem o chama para dançar, e não, suas filhas. Em uma simpatia de Ano novo, surge o presságio que Jamie casaria com Laoghaire. Ele conta, então, que ela precisava de um marido para sustentar as filhas, e ele “precisava de alguma coisa”. O casamento dura menos de um ano. Ele fala assim como no episódio que a esposa tinha medo dele e do seu toque e que ele não suportava mais isso. Jamie passa então a fazer manha, e Claire massageia sua nuca, finda ainda dormindo ao seu lado. Na conversa que se segue, quando eles estão deitados, foi cortado do episódio uma citação que para mim melhor representa o tema da identidade neste livro. Jamie confessa a Claire:


“Durante tantos anos – ele disse – por tanto tempo, eu fui tantas coisas, tantos homens diferentes. – Senti que ele engolia em seco e ele remexeu-se um pouco, o linho de seu camisão farfalhando de goma. – Fui tio para os filhos de Jenny e irmão para ela e Ian. ‘Milorde’ para Fergus e ‘Senhor’ para os meus colonos. ‘Mac Dubh’ para os homens de Ardsmuir e ‘Mackenzie’ para os outros empregados de Helwater. Depois ‘Malcolm, o mestre-impressor’ e ‘Jamie Roy’ nas docas. – A mão acariciou meus cabelos, devagar, com um som sussurrante, como o vento do lado de fora. – Mas aqui – ele disse, tão baixinho que mal podia ouvi-lo-, aqui no escuro, com você... eu não tenho nenhum nome.”


No capítulo 38 (Encontro com o advogado), tem-se a negociação para que Laoghaire não processe Jamie por ter casado com ela tendo uma esposa viva. O roteirista enxugou bastante o capítulo e realmente só colocou o essencial. Obviamente, também fez algumas alterações acrescentando coisas que não tem no livro. No capítulo, quando Claire acorda no outro dia, ela encontra com jovem Jamie (no livro, sua esposa tinha tido neném há pouco tempo e ele estava em sua casa acompanhando-a, só indo a lallybroch alguns dias depois) e ao contrário do episódio, não apenas ele lembrava-se de Claire como a chamou de tia. Jamie apresenta Claire aos sobrinhos-netos:


“Quem é ela, Nunkie? – perguntou num sussurro bastante audível.
- É a sua tia-avó Claire – Jamie disse com ar sério. – Já ouviu falar dela, não?
- Ah, sim – disse o menino, balançando a cabeça freneticamente. – Ela é tão velha quanto a vovó?
- Mais velha ainda- Jamie disse (...)
- Ah, essa não, tio! Ela não parece nem um pouco mais velha do que a vovó! Ela quase nem tem cabelo branco!
- Obrigada, menino! – eu disse, com um amplo sorriso.
- Tem certeza de que é a nossa tia-avó Claire?- o menino continuou olhando-me com desconfiança. – Mamãe diz que a tia-avó Claire talvez fosse uma bruxa, mas ela não se parece com uma bruxa. Não vejo nem uma verruga no nariz dela!
- Obrigada- repeti, um pouco mais secamente. – E qual é o seu nome?
(...)
- Este é Angus Walter Edwin Murray Carmichael – Jamie respondeu por ele, despenteando os sedosos cabelos louros. – O filho mais velho de Maggie e mais conhecido como Wally. (...)”

Fergus não apareceu neste episódio (ele até gravou, mas a cena que inventaram para ele foi cortada), porém ele estava presente no capítulo 38. Claire o encontra quando passava pelo curral. O leitor descobre nessa conversa entre eles, que Fergus está tentando juntar dinheiro para casar-se e que para isso precisa de uma profissão respeitável. A tipografia lhe dava isso, por essa razão ele lamentava a perda dela, uma vez que a mãe da moça não deixaria que ela se casasse com um contrabandista e já não o via de forma positiva.


“Eu não podia dizer que culpava a mãe da jovem, levando-se tudo em consideração. Embora Fergus possuísse uma bela aparência morena e um jeito arrojado que poderia muito bem conquistar o coração de uma jovem, não possuía alguns dos atributos mais atraentes para pais escoceses conservadores, como propriedade, renda, a mão esquerda e um sobrenome.

Da mesma forma, embora o contrabando, o roubo de gado e outras formas de comunismo prático tivessem uma longa e ilustre história nas Highlands, os franceses não pensavam do mesmo modo. E por mais tempo que o próprio Fergus tenha vivido em Lallybroch, ele continuava tão francês quanto Notre Dame. Ele sempre seria, como eu, um forasteiro.”






Jenny tentou convencer Jamie a ir embora assim que soube que o irmão de Laoghaire, Hobart MacKenzie, estava vindo tomar as dores dela. Jamie se recusou a ir, dizendo que não tinha medo dele. Em seguida, Claire segue Jenny até o celeiro, onde ocorre a conversa que aparece parcialmente no episódio entre as duas na parte de fora da casa. Além do que aparece de forma adaptada em “First Wife”, Claire pergunta a Jenny por que ela juntou Jamie e Laoghaire. Jenny confirma que Jamie não teria se casado se ela não tivesse o obrigado. Ela achava que o irmão estava muito solitário. Claire também pergunta por que ela mandou chamar Laoghaire quando eles chegaram a Lallybroch. Jenny diz que gostava de Claire quando ela morava com eles. Jenny conta então sobre a visão que teve de Claire no casamento de Laoghaire e Jamie. Para Jenny, a união entre o irmão e Laoghaire o ligava àquelas terras, mesmo que ele passasse a maior parte do tempo em Edimburgo, ele sempre retornava. Já com Claire, Jenny tinha medo que ela o levasse embora e que o irmão a seguisse. Jenny achava que uma vez que Claire soubesse de Laoghaire, ela iria partir, e o irmão ficaria com a família. Mas ela percebeu que Claire estava para sempre ligada a Jamie e para onde um fosse o outro também iria. A conversa é concluída quando jovem Ian vem avisar a Jenny que Hobart chegou e que ele havia trazido Ned Gowan com ele. No episódio, é Jamie quem manda chamar o advogado. Eles negociaram uma pensão alimentícia e um dote para cada uma das meninas. Jenny se intromete na conversa dizendo que a pensão deve ser paga apenas até Laoghaire se casar novamente, o que não foi mencionado no episódio. Para pagar a Laoghaire, Jamie decide ir atrás do tesouro na ilha sobre o qual seu cunhado e irmã já sabiam, ao contrário da série. Ele pede para levar jovem Ian com ele uma vez que ele mesmo não podia nada por causa do braço. A família já havia usado o tesouro algumas vezes antes, tendo Michael e jovem Jamie, os outros filhos de Jenny e Ian, nadado para resgatar uma parte do que estava escondido lá. No episódio, Jamie pede permissão também para levar jovem Ian para França com ele. No livro, Ian pergunta se Jamie pensa em levar o menino para a França, e Jamie responde que acha que jovem Ian poderia estudar um pouco lá. Concordando, Jenny fala a mesma frase do episódio sobre liberdade.

- "Sassenach, você vai me aceitar e se arriscar com o homem que eu sou agora em nome do homem que você conheceu?"

Essa frase foi extraída do capítulo 25 ainda, quando Jamie e Claire haviam se reencontrado. Na adaptação, ela foi inserida quando os Frasers observavam jovem Ian nadar em busca do ouro do francês. Fez bastante sentido a colocarem no momento em que Claire ainda tem dúvidas se deve ou não ficar com Jamie, mas a resposta é interrompida pelo sequestro do jovem Ian. O capítulo 39 (Perdido e pranteado pelo vento) é que traz essa cena. O navio também dispara tiros na direção de Claire e Jamie, o que não acontece no episódio. Enquanto o “First wife” é concluído com o afastamento da câmera, como se fosse o navio, deixando para trás Jamie e Claire, o capítulo ainda continua com a discussão do que deve ser feito para que se possa salvar o rapaz. E finalmente, o resgate no mar vai começar.

Nós sabemos que não importa o quão frustrada Claire esteja com Jamie, ela irá sim se arriscar com ele. Quando ela fugiu dele após descobrir sobre Laoghaire, ela chega a admitir para si própria que tinha medo que ele escolhesse essa nova família. Esse episódio traz o questionamento se realmente o amor era suficiente para manter esses dois juntos. Entretanto o que mais me chamou atenção foi o relacionamento entre Claire e Jenny. Duas mulheres de tempos diferentes, com vidas diferentes, mas ainda assim tão iguais. Jenny estava não apenas com medo de que Claire levasse Jamie embora, o que realmente acaba acontecendo, como acredito, que também levasse um pouco dela também caso ela se abrisse novamente. Ela é uma mulher que não confia facilmente, endurecida pela vida, e como Claire menciona uma vez talvez a única pessoa que amasse tanto Jamie quanto ela própria. Foram vinte anos de provações, fome, o afastamento do irmão, a perda da cunhada que ela amava. Assim como Claire, Jenny também perdeu um bebê no parto. Elas duas carregam a dor da morte e da separação, e, imagino que Jenny tenha se sentido traída quando descobriu que Claire estava viva esse tempo todo. O fato de Claire ser incapaz de responder todas as suas perguntas não contribuiu para retomar a confiança perdida. A primeira vez que eu li esses capítulos, eu quis odiar Jenny, mas eu não consegui. Eu a entendi. Ela perdeu Claire também, e carregava o medo de não ter mais o irmão com ela após ter o recuperado há tão pouco tempo. Famílias são assim. É de onde vem nossa maior alegria e nossa maior tristeza. Tem a capacidade de nos destruir e de nos erguer, de nos impulsionar a fazer o nosso melhor e de nos matar de medo de trazer decepção. A traição da família dói mais. É aquela faca enfiada bem fundo no coração que mesmo retirada parece que não sara nunca. Para Jenny, Claire deixara de ser uma forasteira, quando Jamie a trouxe para casa. Ela virou família. Quando ela parte e depois volta, Claire machucou e traiu essa família. Infelizmente, elas não terão tempo de sarar as feridas que se abriram, e levará anos para que elas voltem a ser uma para a outra as irmãs que um dia foram.



“Lar é um lugar para onde, quando você precisa ir para lá, as pessoas têm que recebê-lo”. (Robert Frost)

Por Tuísa Sampaio




Comentários via Facebook

11 comentários:

  1. Ótimo capítulo! Bwm melhor que o anterior... e ótima resenha, como sempre. Também me incomodou que oa filhoa da Jenny não tuvessem ouvido falar sobre a Claire, mas as outras mudanças de uma forma geral foram boas/aceitáveis e conseguiram juntar muita informaçao num só episódio, e ele ainda funcionou bem. Que os outros sejam tão bona assim :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada :D Sim!Foi um ótimo episódio no geral. Quando eles querem fazer uma adaptação bem feita, eles fazem kkkk.

      Excluir
  2. Amei a resenha e o capítulo 8 foi bem esclarecido...

    ResponderExcluir
  3. Olá Tuisa! Sinceramente, eu não fiquei feliz com o episódio 08. A atitude da Jenny e dos filhos mais velhos foi desnecessária. O comportamento de Laoghaire foi deplorável...dor de cotovelo é dose! É estranho Claire achar que seria fácil...Gostei das atitudes do Ian Murray pai. Não vejo razões para tratar apenas das habilidades médicas da Claire. Sinto falta de Murtagh Fraser, e se você puder me dizer: Ele morreu! Será que volta? Achei muito banal, o rapto do dinheiro e do Ian Jr, se o tesouro tivesse sido roubado faria mais sentido. Eu vasculhei o site de cabo a rabo, achei legal, muito objetivo e fiel aos livros. Fiz a inscrição. Dei uma olha na linha do tempo e vi que Brianna encontra uma carta de Frank Randall no fundo de uma gaveta. Têm-se como saber do conteúdo? Eu não achei correta a atitude de Claire em não falar a verdade para Brianna desde o começo! Eu acho que os roteirista estão pisando na bola, o que salva é a história de amor e os atores. Caitriona e Hugh são lindos. Obrigada pela resenha! Abrçs

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, Rita! Vou começar falando sobre a carta. Isso é meio que um SPOILER, então deixo aqui o aviso. A carta em si é meio confusa, mas ele conta que não é o pai biológico de Brianna (ele escreveu quando ela era adolescente se eu não me engano), e fala que encontrou a certidão de casamento de Claire e Jamie. Fala sobre a profecia Fraser, que diz que o último descendente Fraser da linha Lovat governaria a Escócia e se Brianna for essa descendente e puder viajar no tempo pode ser que ela esteja em perigo e por isso talvez a única forma de se manter segura seria ela viajar para o passado e que se fosse preciso, ele a mandaria para lá para que ela ficasse protegida pelo pai biológico. O mais tenso de tudo isso é que Frank sabia há anos que Jamie estava vivo e nunca contou a Claire (não sei mais detalhes sobre a tal profecia porque não foi especificado mais que isso). Quanto ao comportamento de Laoghaire é do mesmo jeito no livro kkkkk. O destino de Murtagh na série está bem diferente do que ocorre no livro então só podemos tentar adivinhar o que ocorre com ele. Originalmente ele teria morrido na batalha de Culloden, na série resolveram manter ele vivo e o mandaram para as Colônias. Eu acho que ele vai absorver "a história/destino" de Duncan Innes, que é um antigo amigo de Jamie de Ardsmuir que ele reencontra a caminho das colonias. Então, meu palpite é que eles vão se reencontrar ou ainda nesta temporada ou na quarta, e a vida de Murtagh vai seguir o que seria a história de Duncan Innes no livro. MAS ISSO É SÓ MEU PALPITE. O rapto de jovem Ian também ocorre no livro então isso não é culpa dos roteiristas mas da própria Diana HEHEHE, assim como a promessa que Claire fez a Frank de que só contaria sobre a paternidade de Brianna se ele morresse também é derivada do livro. :* abraç.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tuisa! Frank e Jack Randall são dois 'wretched and cruel bastard', não valem 1 cent. Ainda bem que Frank morreu. Eu não tenho problemas com Spoiler, os considero válidos. Vou torcer pelo retorno de Murtagh Fraser, com um desfecho melhor do que Duncan Innes. O mais triste é Claire nunca desconfiar de Frank, ele e Laoghaire são um par de inimigos mortais...não saber perder é um gravíssimo problema de caráter e de personalidade. Eu sou apaixonada pela série e livros(não lidos rsrs ainda), mas esta 3 temporada me deixou com a sensação de desconforto e sem tanta emoção( se é que posso me expressar assim). Muito obrigada por você esclarecer as dúvidas,fatos,etc...com tanta propriedade e bom humor. Fico no aguardo da próxima resenha. Tenha um ótimo final de semana. Tudo de bom e fique com Deus!

      Excluir
    2. Eu amooo seu blog!! estou facinada, como estou sem tempo de ler outros livros que não são do meu mestrado eu tenho que me contentar com os resumos, e os seus são fodaaa!! Me fale mais da profecia que eu não entendi muito bem se ela ficaria em peregio no futuro ou no passado?

      Excluir
    3. Joana, em nome de toda a equipe outlander Brasil, muito obrigada! Como eu até mencionei ali em cima, a profecia não é bem explicada ainda nos livros. É algo que é meio que jogado para eles, a gente não recebe muitos detalhes. Eu acredito que seja algo que vá ser melhor explicado nos 2 últimos livros. Tudo que sabemos é que o último descendente da linha Fraser de Lovat governará a Escócia. Daí podem surgir inúmeras interpretações. Quando Frank escreveu a carta para Brianna, ele ficou com medo de que em algum momento alguém no tempo deles descobrisse sobre ela e a profecia e isso poderia deixa-la em perigo (possivelmente até o próprio serviço secreto) e assim a melhor saída para ela seria "se esconder" no passado. Mas ninguém sabe o que pode acontecer, só a autora kkkk.

      Excluir
  5. Gostei desse episódio mais doque os 2 primeiros.. com certeza.. a relação entre Claire e Jenny me emocionou.. espero que a série só melhore a partir de agora.. mas confesso que estou meio receosa com a estória de irem para a Jamaica.. sei que é a estória original do livro, mas me parece tão estranho imaginar os 2 lá.. enfim.. só vendo pra crer ..
    Obrigada pela resenha.. como sempre muito boa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada você! Eu adoro eles na jamaica e a parte da viagem de navio s2

      Excluir

Lallybroch - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2016