Final da Quinta Temporada e o vínculo de Claire e Jamie

by - maio 13, 2020


Contém spoilers e conteúdo sobre abuso sexual


Outlander encerrou a quinta temporada com um episódio que não é fácil de assistir, principalmente para os fãs de Jamie (Sam Heughan) e Claire (Caitriona Balfe). No final da temporada, Claire, que foi sequestrada por um grupo rebelde de homens de Brownsville liderado por Lionel Brown (Ned Dennehy), é brutalmente violentada.

Enquanto ela é mantida em cativeiro, o grupo rebelde decide estuprá-la.

Quando Claire está deitada no chão, amarrada e sem poder se soltar, ela também tem flashes de um futuro alternativo e se imagina em um jantar de Ação de Graças nos anos 60 com as pessoas do século XVIII que ela ama, mas que estão vestidas em trajes modernos.

“A série de TV tem uma reputação de correr riscos e estou realmente feliz por eles fazerem isso", disse a autora best-seller Diana Gabaldon exclusivamente ao Parade.com antes do episódio final. “Acho que no episódio 512, os riscos – e havia muitos – valeram à pena.”

Claro, Claire sabe que a ajuda está a caminho. Ela sabe no fundo do coração que Jamie fará tudo ao seu alcance para salvá-la, então ela está preparada para provocar seus sequestradores – que acreditam que ela é uma feiticeira – dizendo que todos eles irão morrer até a manhã seguinte. E ela está certa. Mais uma vez, Jamie acende a cruz na Colina Fraser e chama os homens leais a ele à ação.

“A atuação é de fazer o coração parar - Caitriona é tão boa!”, exclama Diana. “Todos eles, de Lizzie (Caitlin O’Ryan) até os horríveis Browns, foram perfeitos.”

O interessante aqui é o paralelo ao estupro de Jamie nas mãos de Black Jack Randall (Tobias Menzies) no final da primeira temporada. Assim, Jamie entende o que Claire está vivenciando quando ele e seus homens finalmente chegam e derrotam o contingente de Brownsville.

“A série fez isso de forma muito convincente no final da primeira temporada, e eles fizeram aqui também, cortando tudo o máximo que puderam e assim transmitindo um enorme poder emocional”, observa Diana. “O silêncio é tão poderoso quanto as palavras, e Claire, amarrada, amordaçada e – por enquanto - indefesa, nos agarra pelo coração com um desejo agonizante de ajudar. De alguma forma ... De qualquer forma.”

Quando Jamie percebe que seus homens estão vencendo a luta, ele abandona a batalha para procurar e libertar Claire. Ele lhe diz que “sabe” o que ela está passando – e ele realmente sabe – e lhe pergunta quantos, referindo-se a quantos homens a estupraram. Ela não sabe, mas sabe que Lionel era um deles.

Então o homem da montanha John Quincy Myers (Kyle Rees), que atendeu ao chamado da cruz em chamas, oferece à Claire uma faca e a chance de matar o restante dos sequestradores vivos, que agora são mantidos em cativeiro.

Jamie explica que Claire fez um juramento que a impede de tirar vidas, mas ele diz que matará por ela; Roger (Richard Rankin), Ian (John Bell) e Fergus (César Domboy) se aproximam e dizem que eles farão o mesmo.

Então Jamie simplifica as coisas, dizendo: “Mate todos eles”.

“Você notará também a maneira como a atuação contida de Sam destaca e acentua a ação, e – como sempre – Jamie é o baluarte de Claire, a presença dele e suas poucas palavras dão espaço para que ela desmorone emocionalmente em segurança e depois comece a se recompor ”, diz Diana. “E o mais importante é que ele entende isso. Ela tem que fazer isso sozinha.”

O livro, Um sopro de Neve e Cinzas, trata das consequências da provação de Claire em uma sequência mais longa, com apenas Jamie e Claire, porque os livros têm espaço para muita exposição, pensamentos internos e diálogos, o que a TV não tem.

“Filmar algo assim levaria bem uns 20 minutos de tempo na tela e poderia difundir a sensação de choque, medo e alívio final”, destaca Diana. “Assim sendo, eles fizeram isso rapidamente, mas usaram as duas discussões mais importantes do livro: onde Jamie diz à Claire ‘Eu entendo ...’ com as palavras não ditas ‘porque eu fui estuprado’ – interrompida por Claire, que afirma sua própria experiência com o breve monólogo ‘Eu vivenciei uma guerra mundial...’, terminando com ‘Eu sobrevivi’ ”.

Antes do término do episódio, vemos os dois desfrutando um dia normal na Colina Fraser, mas com um raio e uma tempestade se aproximando, o que também poderia ser um prenúncio do que está por vir na sexta temporada: a tempestade da guerra para se libertar da Inglaterra.



Mas antes de deixá-los, há uma bela cena de Claire nos braços de Jamie, seu corpo maltratado e ferido sob os cuidados dele, e ele lhe perguntando: “Como você se sente?” e recebendo a melhor resposta que ele poderia querer: “Segura”.

“Jamie e Claire sempre salvaram um ao outro”, conclui Diana. “Gostaria de ressaltar algo que a série de TV ilustra brilhantemente, que é que a violência sexual – e seus efeitos e sua recuperação – é uma experiência única. Representações de estupro - especialmente quando feitas apenas para causar choque – tendem a ser repetitivas e feitas sem muita imaginação ou empatia.”

Ela ressalta que Claire e Jamie são a prova disso nesse exato episódio.


“As pessoas são únicas em suas percepções, reações e cura, e tanto os livros como a série de TV reconhecem isso.”

Texto de Paulette Cohen traduzido pela Equipe Outlander Brasil 

You May Also Like

0 comentários