Lallybroch: A Matemática de Diana Gabaldon
13 maio 2015

A Matemática de Diana Gabaldon



Uma curiosidade sobre a maneira de Diana Gabaldon escrever seus "romances". No ano passado, no fórum do qual participa, Diana revelou a seus leitores a famosa "regra de três" usada pela autora. Leia abaixo o texto postado por Diana na íntegra. 


O artigo abaixo contém spoilers para quem não leu todos os livros.



Queridos--

Judy (jmortkowitz) pediu em outro tópico se eu poderia falar um pouco sobre a Regra de Três, e eu disse que sim, então aqui está o post original:

Eu tenho um leitor do sexo masculino (Justin Brady (RandomAngst), que administra o site de resenhas Random Angst/www.randomangst.com) no Twitter, que me disse hoje, que tinha acabado de ler OUTLANDER e tinha gostado muito "até os capítulos da prisão ". Eu tweetei de volta dizendo que eu estava um pouco preocupada, já que ele não tinha gostado do capítulo sobre Wentworth, e a resposta dele foi, "Porque colocar o nosso herói em tamanha dor e sofrimento? :)", acrescentando ainda "Eu sei que estou atrasado para a festa de #Outlander e você provavelmente já abordou este tema, mas foi uma dor muito intensa, física e emocional."

Eu estava indo jantar, por isso disse que eu ia responder a ele mais tarde (e não fiz isso ainda), mas estive pensando em  alguns breves momentos, em como eu responderia a isso. A simples resposta é que eu vi isso acontecer, mas claro que isso não é suficiente para o leitor. Há sempre uma razão pela qual as coisas acontecem ou são necessárias, mesmo eu sabendo quando eu devo escrever sobre isso ou não. Então o porquê disso?

Deixe-me fazer uma breve distinção aqui sobre os componentes da escrita. Não é o que acontece, e não é como você vê na página. "Como" é a parte do ofício da escrita: Como faço para transmitir uma sensação de ação, de tensão, de ternura, de curiosidade, de temor? Como faço para fazer as pessoas virarem a página? (Uma consideração importante, se você tende a escrever livros com muitas páginas.) Como posso explicar?

Agora, a parte do "real" colocada em palavras na página é que é uma arte consciente; tem que ser. Você vai tomar um milhão (sem exagero) de decisões sobre cada página. Qual o ponto de vista disso? Onde estamos? Que hora do dia é hoje? Quem está falando aqui? O que eles parecem? Será que o que essa pessoa disse faz sentido? Aquela cadeira ali deveria ser uma cadeira? Deveria, talvez, ser um banco baixo? Ou uma cadeira de enfermagem? Alguém só chutaria e quebraria quando batesse na parede? Será que a pessoa que chutou machucou o pé? O que ele disse, quando? A cadeira/banquinho estragou a parede; eu deveria mencionar esse fato? Não, isso irá interferir com a pessoa que está rindo dela, convulsionando de alegria? Não, muito; eles ficaram vermelhos com o esforço para não rir? Etc, etc, etc, para citar o Rei do Sião.

Mas o que acontece muitas vezes não é consciente. Eu vi um homem, obviamente, exasperado além do suportável, chutar um banquinho com muita força. Por que está exasperado? Quem é a pessoa rindo dele? Eles estão fazendo isso com desdém, ou são favoráveis ​​a ele, mas não pode ser divertido por sua frustração? Esses são todos os "O que aconteceu?" Tipos de perguntas e que são em grande parte respondidas como eu escrevo, mais de uma vez pelo subconsciente não verbal.

Há sempre uma razão pela qual as coisas acontecem ou são necessárias em uma história, se eu sei o que essas coisas são, enquanto estou escrevendo ou não. Então, voltando à pergunta do meu leitor quais foram as razões para as coisas terríveis que aconteceram com Jamie na prisão de Wentworth?

**
Em parte, é porque esta é uma história com "altas apostas". Quase todo mundo entende que você tem que ter algo em jogo para uma história ser boa. E a forma como muitos romances e romances de ficção ou não assumem, é nada menos do que o destino do Universo Conhecido irá realizar {risos}, e esses autores confundem a escala de intensidade. Não importa como a história de fundo pode ser, uma história que foca no impacto de eventos em uma ou duas vidas será - em geral - muito mais envolvente, emocionalmente e intensamente do que aquela em que todo mundo está apenas correndo ao redor tentando salvar um planeta ou ter em suas mãos uma bomba que pode destruir tudo!!

Sendo assim, OUTLANDER, é uma história de "altas apostas" - em um nível individual - do começo ao fim. É uma história de amor, com certeza, e é sobre tudo o que as pessoas podem fazer por amor. Claire, por exemplo, opta por abandonar a vida que ela conhecia (e estava prestes a se recuperar do pós-guerra), a segurança do século 20 (e ela de todas as pessoas, valoriza a segurança, tendo vivenciado tal guerra), e o marido que ela amava. Ela escolhe dificuldades, perigo e dor emocional, para estar com Jamie.

Mas o amor por estes dois é sempre recíproco. Não se trata de um parceiro fazendo um sacrifício para o bem do outro. Ao longo da história, eles continuam resgatando um ao outro. E as apostas são altas. Jamie se casa com Claire primeiramente, a fim de salvá-la de Black Jack Randall. Teria sido uma coisa extraordinária de se fazer, se Jack Randall não fosse, de fato, uma ameaça séria? Ele é uma grave ameaça; nós aprendemos isso a partir do passado de Jamie. O homem é um verdadeiro psicopata sádico, que essencialmente destruiu a família de Jamie e o feriu seriamente, tanto física como emocionalmente. E aqui está Jamie jurando dar à Claire tudo o que ele tem; a proteção de seu nome e seu clã - e a proteção de seu corpo - a fim de salvá-la deste homem.

Ele, então, a salva, física e imediatamente, de Randall, quando Randall a captura e a ameaça em Fort William - mesmo que, ao fazer isso, ele coloca não só a si mesmo, mas todo mundo com ele, em grave perigo, e o faz com algum custo emocional, bem como custo físico. "Bem, eu fui amarrado àquele poste, amarrado como um animal e chicoteado até meu sangue escorrer! Carregarei as cicatrizes até a morte. Se eu não tivesse tido muita sorte esta tarde, isso seria o mínimo que me aconteceria. [...] Eu sabia disso e não hesitei nem por um segundo em entrar naquele lugar para ir atrás de você". Os riscos são altos; a ameaça do capital Randall para Claire e Jamie, aumenta.

Um, dois, três. A Regra de Três. É um dos padrões subjacentes importantes da narração de histórias; um evento pode ser marcante. É um dos padrões subjacentes importantes da narração de histórias; um evento marcante. O próximo evento (relacionado) cria ressonância. Mas o terceiro traz uma EXPLOSÃO. (Isto é, aliás, por que os contos de fadas clássicos sempre envolvem três irmãos, três irmãs, três fadas, etc. e por que a forma mais clássica de brincadeira começa sempre, "Um padre, um pastor e um rabino..." O clímax da história, o ponto da piada, sempre vem na terceira repetição). O terceiro encontro com Black Jack Randall é o clímax, o ponto onde as apostas são mais altas. Jamie foi capturado e ferido seriamente, Claire vai salvá-lo, mas Randall dá a volta por cima e a leva em cativeiro, ameaçando sua vida.

OK. Este isto tem que ser uma ameaça real. Por esta razão, vimos (e ouvimos) sobre o dano real que Randall fez para Jamie até agora; e por isso não podemos ter nenhuma dúvida de que ele faria um dano real a Claire. Nós não podemos apenas dizer, "Oh, ele é uma pessoa terrível, você não iria acreditar..." Nós temos que acreditar, e, portanto, apreciar apenas o que Jamie fez, quando ele troca o que restou de sua vida, por Claire. (Mostre, não diga, você entende?)

E porque nós acreditamos, é que compartilhamos tanto o desespero de Jamie como o desespero de Claire.

Assim, OK. Ao longo do livro, vimos que o amor tem um custo real. Jamie e Claire construíram um relacionamento através de uma luta honesta, uma relação que é valorizada e tem um custo. Este é o desafio final, e Jamie está disposto a pagar o que, aparentemente, será o custo final.

Por que eu faria isso? Fazer ele escapar da dor e tortura sentida em sua pele e dentes (que ele e nós sabemos que que está vindo) seria minar o seu sacrifício, e torná-lo um momento inferior. (Seria como alguém que chega no Jardim do Monte das Oliveiras dizendo à Cristo, "Ei, amigo, você realmente não tem que fazer isso. Venha comigo, eu tenho um caminho secreto para fora daqui...")

Assim, o amor tem um custo, e é um custo real. Mas eles vão resgatar uma ao outro, e Claire salva não só a sua vida, mas a sua alma. (Sim, é redenção e ressurreição, e sim, há imagens de Cristo por toda a história - foi meu primeiro livro, OK?) Sua alma não teria estado em perigo, se não tivesse sido realmente e verdadeiramente quase destruída por seu sacrifício.

Ou seja, Claire apareceria com reforços em cima da hora e o salvaria antes que ele tivesse lidado com tanta dor e sofrimento... bem, em seguida, isso teria sido legal, uma história comovente em que o herói e a heroína vencem o mal e montam no por do Sol juntos. Mas não teria metade do poder de uma história em que Jamie e Claire verdadeiramente vencem realmente o mal, e, assim, mostram o que é o verdadeiro amor. O amor verdadeiro tem custos reais - e ele vale a pena.

Eu sempre disse que todos os meus livros têm uma forma definida, e OUTLANDER consiste em três triângulos ligeiramente sobrepostos. O ápice de cada triângulo é um dos três clímax emocionais do livro: 1) quando Claire faz sua escolha dolorosa nas pedras, 2) quando ela salva Jamie de Wentworth, e 3) quando ela salva a sua alma na Abadia. OUTLANDER ainda seria uma boa história, se eu tivesse apenas o 1 e 2 -, mas (veja acima), a Regra de Três. Uma história em que se passa um, dois, três, tem muito mais impacto do que apenas um soco um-dois.

--Diana
www.dianagabaldon.com






Post Original / Tradução Outlander Brasil

**Diana Gabaldon adicionou mais informações no dia 15/05/2015



Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Lallybroch - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2016