Lallybroch: Entrevista de Diana Gabaldon para o site Nerdist
04 junho 2015

Entrevista de Diana Gabaldon para o site Nerdist

Sábado à noite, a Outlander finale foi onde a televisão nunca foi antes. E no processo suscitou uma conversa muito interessante sobre violência sexual. Mas Ronald D. Moore não foi o único que criou a história, foi a autora Diana Gabaldon em 1991.



No domingo tivemos o imenso prazer de conversar com Gabaldon antes de uma seção de Q&A e autógrafos na Barnes&Noble no The Grove, em Los Angeles (onde vários dos figurinos emblemáticos da série também estavam em exposição), onde ela falou sobre o caráter subversivo da história, a reação do público à violência sexual, e o que ela está vendo a frente na segunda temporada. Aqui está uma versão editada e truncada de nosso bate-papo:



O Nerdist: Então, a primeira temporada acabou. O que você acha de como eles se adaptaram a seu primeiro livro?

Diana Gabaldon: Oh, eles fizeram um trabalho maravilhoso você sabe, dado que é um livro de mil e trezentas palavras e eles tinham 16 horas para fazê-lo, eles fizeram um trabalho fabuloso, absolutamente.



N: E um monte de coisas que acontece no final...

DG: Sim, é verdade. [risos]



N: Foi você que escreveu este material em primeiro lugar, em um modo a subversão dessa cena vem de você. Geralmente é uma donzela em situação de perigo, mas aqui, Jamie é o único nesta posição. Assim como foi, ver isso traduzido para a televisão?

DG: Bem, eu escrevi Outlander para praticar; eu nunca quis que ninguém lesse. Muito menos publicasse, muito menos aparecesse na televisão! Eu não posso dizer que não tinha a intenção de ser subversiva porque eu sempre sou, mas eu estava meio que nascendo com um "diga quem" gene, sabe? [Risos] Não tinha a intenção de ser qualquer tipo particular de livro - Eu lia de tudo e muito - Eu apenas usei elementos de tudo o que eu gosto. Em um ponto que estava, eu acho, postei uma cena de amor e eles disseram: "Oh, é um romance histórico, talvez?" E eu disse, "Eu não sei, eu nunca li um." Então eu fui para o supermercado e comprei três romances best-sellers do New York Times que figuraram como uma amostra representativa. Eu li todos os três e eu disse: "Não, não é isso que eu estou escrevendo, [risos], mas isso é interessante." Estou certa que poderia dizer que foi puramente por acaso, mas eu estaria mentindo, [mas] foi meados da década de 1980, quando os estilos eram diferentes, e a heroína sempre era estuprada em cada um desses três livros. Em um deles, ela foi estuprada por aquele que eventualmente acaba por ser o herói entre aspas. Nos demais, ela foi estuprada por alguém, mas teve relações sexuais com o herói "dela." Era assim, vamos lá!



N: Oh, Deus.

DG: Exatamente. Assim, tendo percebido que o que eu escrevia era, bem, não era esse tipo de livro - Todas eram virgens. Claro: 18 anos de idade virgens com os homens de 34 anos, este era o estilo, então - [assim] eu disse: "Sim, eu acho que não." Eu sabia quem era Claire - Eu estava trabalhando com ela por enquanto e eu sabia que Jamie estava bem, então eu disse que ele seja o virgem no casamento. Eu tomo decisões tipo assim, não exatamente o capricho do momento, mas a revelação do momento. Apenas "Ah, é assim." E fazendo isso, eu não fujo das ramificações dos desenvolvimentos que vêm com isso. Então, tudo cresceu a partir disso.



Algo drástico iria acontecer: este não é o tipo de livro onde os protagonistas se dão mal no último minuto e escapam dos danos e navegam para o por do sol. A conexão com o capitão Randall estava evoluindo: não era de Claire que ele estava atrás; ela foi uma espécie de acidente. Ele teria qualquer um que ele com quem ele pensasse que poderia ficar a sós e desamparado - mas ele estava fascinado por Jamie, por diversas razões.

Eu tinha na verdade, escrito um pequeno ensaio - que tenho certeza está em toda a web agora - de Jaime e a regra de três e por que fiz isso.



N: É óbvio que houve uma grande discussão quando o livro saiu, mas agora que ele foi ao ar na TV, como é ter essa discussão com o novo significado que as pessoas estão expressando em termos de como e por que essa história saiu do jeito que saiu?

DG: Bem, todo mundo vai ter as suas opiniões, e a coisa é, a cultura mudou consideravelmente desde que escrevi o primeiro livro. Era muito controverso, naquele momento, mas de maneiras diferentes. As pessoas tendem a ficar muito mais animadas sobre a surra do que o estupro - e mesmo que isso venha em ondas. Eu tenho visto esses pequenos surtos de raiva com punhos no ar e tudo então se acalma e eu não ouço nada por cinco anos e de repente está grande novamente. Eu não estou muito certo sobre o que controla essa onda; é apenas algo a ver com meios de comunicação e cultura e assim por diante. Em parte, é a busca de conteúdo. A mídia está sempre à procura de uma história de um tipo ou de outro. Você não vai ter uma história a menos que tenha conflito, o que significa que se não há conflito em uma situação, as pessoas procuram uma maneira de fazer algum.



N: É interessante ver esse tempo também, com isso e tudo o que está acontecendo com Game of Thrones...

DG: Sim, isso foi bastante coincidência.



N: E isso deve parecer estranho para você, como é para mim, é uma espécie de um jeito "certo ou errado" de como lidar com essas coisas.

DG: Eu sou da mesma opinião.



N: Eu tenho visto essa conversa sobre estupro por semanas e eu estrou visivelmente cansada disso, e ainda há muita coisa boa que está vindo pela frente.

DG: Oh, eu sei, mas é por isso que você não se preocupa quando você escreve algo que é controverso. É um grande incômodo nos meios de comunicação: você tem que lidar com isso mais e mais e mais - como você observou -, mas, ao mesmo tempo, coisas muito valiosas vêm, ao longo do caminho. E não apenas em termos de conversa pública, mas em termos de respostas particulares das pessoas. E o que eu ouço é um monte de porque as pessoas escrevem para mim o tempo todo e eles me dizem "isto é o que eu senti como um resultado disso." A linha inferior para mim é que eu recebo muitos e muitos e muitos e-mails, e eu nunca, nunca - nem uma vez! Tive alguém escrevendo para mim dizendo: "Eu fui estuprada e isso foi terrível, e a série trouxe tudo de volta e como você pode fazer uma coisa tão terrível?" Nunca, nem uma vez. Por outro lado, eu tive um monte de e-mails de pessoas dizendo, “Eu fui estuprada e li o seu livro, por vezes, as cenas eram difíceis, mas foi catártico”. Foi tão honesto, que significou muito para mim. E mais, você indica que a recuperação é possível, que está se curando, há esperança. E isso só me fez sentir tão válida e compreendida. Isso me fez sentir bem. E agora eu estou pensando, OK: eu acho que este é o caminho certo.



N: É uma coisa tão complicada e sempre vai ser uma daquelas coisas onde as pessoas vacilam entre as linhas do que é apropriado e o que não é, mas é tão importante ter essa discussão, com base em um erro ou alguém fazendo a coisa certa. É importante em todos os aspectos.

DG: Sim, bem, como um escritor de ficção, eu não acho que a noção de adequação aplica-se a isso, como você saberia?



N: Você realmente não sabe.

DG: Em termos de cultura popular e mídia e entretenimento e assim por diante, todo mundo diz: "Qual o público para isso?" Eu realmente não me importo com o público. O público foi eu. E desde que isso deu certo, eu sempre continuei nessa suposição: eu não me importo com o que o público pensa. Basicamente, isso vai saindo do jeito que é, e eu acho que deve ser escrito assim. Mas a outra coisa é que não há nenhuma audiência, não há leitor. Se você tem mais de uma pessoa lendo o seu livro, eles vão ter opiniões  e respostas totalmente diferentes. Nenhuma pessoa - não há duas pessoas - lendo o mesmo livro. São sempre com base em suas percepções, seus antecedentes, suas experiências, suas expectativas quanto ao momento. Você sabe o lado da cama que você levanta no mesmo dia. Eu li alguns livros e eu pensei: "Isso é melhor do que um pão fatiado!" E um mês depois eu não conseguia me lembrar de pensar nisso. E eu li outros que foram tipo um golpe e eu descartei e voltei seis meses depois, pensando: Uau, isso é ótimo. Então, você sabe, as coisas mudam o tempo todo.



N: Então o que foi ver Sam e Tobias fazendo isso?

DG: Oh, foi fabuloso. Tenho certeza que você sabe que meses e meses antes de começar as filmagens, eu disse a Sam Heughan, que interpreta Jamie Fraser na tela - eles me perguntaram o que eu queria ver particularmente filmado - Eu espero que você não veja isso de uma maneira errada, Sam, mas eu realmente quero ver você ser violado e torturado.



N: Eu não me lembro disso. Ele aceitou bem isso. Falei com os dois sobre isso e eu adoro a forma como ambos se aproximaram da coisa toda.

DG: Eles são profissionais.



N: E é diferente de tudo que já esteve na TV antes.

DG: Foi tão bonito. Quer dizer, parece estranho com esse tipo de material, mas foi totalmente lindo. E não apenas visualmente, a fotografia foi espetacular, a encenação: tudo. Isto foi totalmente honesto e inflexível durante todo o caminho. De ambos os lados.



N: O que te anima mais eles filmarem na próxima temporada? Porque tudo é completamente diferente agora: eu falei com Ron algumas semanas atrás, e ele estava dizendo algo como, "Eu basicamente estou criando uma série completamente nova", porque é tão diferente.

DG: Bem, isso é a coisa sobre os meus livros, porque eu não gosto de fazer coisas que eu já fiz, por isso, cada um é totalmente diferente. Tonalidade, estrutura, abordagem, enredo, e assim por diante. Tudo o que posso reutilizar são os personagens, e eles, naturalmente, continuam a ser quem eles são - mas evoluem. As pessoas me dizem: "Bem, você não está cansada de escrever sobre essas mesmas pessoas velhas?" Bem, se eles eram as mesmas pessoas velhas, que seja, mas eles não são: eu tenho que reinventa-los a cada livro. Quem é você neste momento em sua vida? Tudo isso tem acontecido desde a última vez que estivemos juntos; como está se sentindo sobre as coisas? Como é isso? É sempre um novo dia para mim. É por isso que não me canso e é por isso que, presumivelmente, os livros continuam a ser populares. Eu não acho que eu já ouvi alguém dizer que eles eram chatos. Eles podem ou não ter gostado deles, mas eles não deixam as pessoas desanimadas.


Artigo Original / Tradução Outlander Brasil



Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Lallybroch - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2016