Lallybroch: Ronald Moore e Anna Foerster falam sobre as violentas cenas da prisão
20 maio 2015

Ronald Moore e Anna Foerster falam sobre as violentas cenas da prisão



Como os fãs têm visto nos últimos episódios de Outlander, a missão de Claire (Caitriona Balfe) no resgate de Jamie (Sam Heughan) dos casacas vermelhas tem sido um amargo desafio. De fazer caminhadas pelas Terras Altas à cantar com roupas masculinas como um menestrel, a jornada de Claire revelou-se dura, pois ela foi forçada a se adaptar ao seu novo mundo como nunca antes.



Em seguida, durante o 15º episódio de Outlander com o tempo correndo em direção à execução iminente de Jamie, Claire usou sua astúcia para invadir a prisão de Wentworth, apenas para encontrar-se cara a cara com o malvado Black Jack Randall (Tobias Menzies). Em a "Prisão Wentworth" também vimos Jamie chegar a um acordo com Black Jack em troca da liberdade de Claire, o que resultou em uma cena devastadora e sangrenta, envolvendo um martelo pesado e um prego de ferro.



Aqui, o produtor executivo Ronald D. Moore e a diretora episódio Anna Foerster (que dirigiu "O Casamento" e "Agora de Ambos os Lados" no início da temporada) revelam detalhes sobre as cenas violentas do episódio, e sugerem o que está por vir no set na Escócia no final da temporada.



A lesão na mão de Jamie é uma grande parte da narrativa aqui. O que você acha que Diana diria a respeito de sua justificativa para tal violência gráfica? Você tem teorias sobre o simbolismo da lesão de Jamie?



MOORE: Não. Nós nunca realmente conversamos sobre isso nesses termos específicos. Obviamente, a metáfora a Cristo salta à mente, mas eu não tenho certeza se é o que ela tinha em mente quando escreveu.



FOERSTER: Eu tenho certeza que ela não tinha. Tenho quase certeza de que ela não tinha. Nós estávamos falando um pouco sobre a mão na preparação, e foi muito interessante porque nós consultamos uma enfermeira que se especializou em lesões nas mãos, apenas para descobrir, antes de tudo, como concerta-la. Acontece que uma lesão na mão é uma das lesões mais dolorosas que um corpo humano pode suportar. É engraçado suficiente, que as pessoas sofram com ferimentos nas mãos muito mais fácil do que se eles tiverem um trauma grave nas pernas ou outros membros. Tem algo a ver com todas as terminações nervosas na região. Então eu acho que basta saber que foi um elemento interessante e, em seguida, pregar as mãos sobre a mesa, quero dizer, não pregar Jesus na cruz. Embora Ron, eu acho que você está absolutamente certo. Eu não acho que no livro isso foi concebido como uma metáfora sobre Cristo.



MOORE: Como ele passou por pós-produção no episódio, uma das coisas que não era bastante óbvia era como particularmente doloroso seria o prejuízo, porque, como disse Anna, a verdade médica é que se sua mão for esmagada com um martelo assim, seria tão incrivelmente doloroso. Seria cegamente doloroso. Depois que Jamie é ferido assim no livro, ele está quase tendo alucinações. Ele está quase à beira de perder a consciência. Mas quando você viu isso no corte, no roteiro e na história, Jack bate nele uma vez com o martelo. E mesmo que seja um momento chocante, ele não chegou a parecer como se ele conseguisse o lugar que precisávamos que Jamie estivesse. Por isso, em seguida, enganamos um pouco e temos Jack acertando mais de uma vez na cena, apenas para sublinhar para o público como incrivelmente doloroso essa lesão poderia ser.



Ron, eu sei que você é realmente um defensor de que as coisas pareçam precisas sobre as câmeras. Eu falo da qualidade do produto que você produz, mas isso foi feito para alguns programas bem sangrentos. O que você fez para se certificar de que a mão realmente parecesse gravemente ferida? Estou sentindo que havia algo diferente no que foi utilizado, sangue de geleia...



MOORE: Foram ambos um trabalho protético e de maquiagem.



FOERSTER: Foi uma combinação interessante. Quando ele [Heughan] coloca sua mão sobre a mesa, que é a sua própria mão, a unha está entrando, e a mão fica trocada com uma mão protética que estava escondida sob a camisa e manipulada com fios debaixo da mesa para que os dedos e tudo pudesse se mover. Então, quando a unha está dentro e ele está sentado à mesa, estamos de volta para sua verdadeira mão com o prego falsificado saindo e sangue falso. Isso obviamente foi realçado, aonde precisava estar [na edição]. Mas foi difícil para o ator, porque quando você tem uma prótese, você está agindo com algo que não faz parte de você.



Este episódio aponta problemas em algumas cenas. O que mais forte pesou em sua mente quando você estava se preparando para trazer um aspecto totalmente diferente do enredo da vida de Claire e Jamie?



MOORE: Bem, você sabe, na minha perspectiva, a partir do momento em que li o livro e, em seguida, delineei a primeira temporada, sabíamos para onde isto estava indo. Portanto, isto esteve sempre à espreita lá fora no horizonte, aonde nós estávamos indo de cabeça para este lugar muito escuro e angustiante no final. Passamos muito tempo pensando sobre isso internamente no quarto do autor e falando sobre isso com o elenco bem antes de prepara-los. Nós só sabíamos que isto ia ser um grande momento e quando chegamos a preparar e a filmar tentamos criar um tempo de ensaio extra para Anna e o elenco criarem, você sabe um espaço extra, porque nós íamos pedir que todos eles fossem a alguns lugares muito difíceis, e nós queríamos permitir que eles fizessem o melhor trabalho que eles pudessem.



FOERSTER: Eu tenho que fazer eco. Foi uma experiência incrível. Eu li muito o livro e quando eu vi os dois primeiros episódios ["Agora de Ambos os Lados" e "O Casamento"], eu não tinha ideia de que eu estaria me envolvendo nos dois últimos episódios. Foi muito interessante porque, como eu li o livro, eu pensei: "Uau, quem for fazer isso terá um verdadeiro desafio que será emocionante e sombrio”. E então, com certeza, ele veio em meu caminho, e foi super emocionante para mim. Mas, como disse Ron, todos nós sabíamos que estava chegando. E apenas ter a capacidade de ensaiar antes e ter conversas profundas com os atores ajudou a todos, em conjunto, pois todos nós sabíamos aonde isso estava indo. Foi ótimo ter a oportunidade de quebrar a cabeça em torno disso e ter todos na mesma página, o elenco o autor, a equipe e eu.



Você ambos mencionam ter conversas com os atores. O que foi discutido durante essas conversas?



MOORE: Bem, eu diria que foi sobre a criação de seus personagens e criar sua história dentro da história. Quem é Jack depois? O que ele quer? E o que Jamie quer? O que é importante para cada um deles, por que eles estão se comportando da maneira que eles estão e como é que nos levam na direção que a história vai tomar? Em seguida, Anna me convidou para ir e descer e assistir aos ensaios, porque os três tinham vindo trabalhar em particular por um tempo. E mesmo nesse espaço, a conversa foi sobre qual era o objetivo de Jack, por que ele estava interessado em Jamie e o que é que ele está tentando obter com isso. E onde está a posição de Jamie dentro disso? Qual será a sua resistência? O que ele está tentando tirar? Quais são seus pontos fracos? Para mim, era tudo sobre descobrir os pontos de pressão dentro da história sobre dois de seus personagens.



FOERSTER: Foi realmente uma conversa constante e uma exploração de todos os envolvidos, o que foi ótimo. Por exemplo, Ron, você mencionou entrando sobre o ensaio. Nós tínhamos começado a ter ideias, como com uma coisa, quando Tobias para Sam depois que cai da mesa com o prego na mão, quase se assemelha a imagem religiosa de Jesus crucificado. Então, havia pequenas ideias e imagens que surgiram em nossa discussão, e foi por isso que foi ótimo ter todos envolvidos. Em seguida, o diálogo poderia se adaptar a isso. Para mim, esta foi uma colaboração fantástica.



MOORE: Foi um processo muito orgânico, porque nós tínhamos o livro como um ponto de partida. Mas o livro é contado de uma maneira diferente. O primeiro livro é contado completamente do ponto de vista de Claire, então todas as cenas entre Jack e Jamie estão relacionadas com ela após o fato, não realmente como um flashback, mas mais em termos de como Jamie iria relatar a história para Claire. Que é diferente do que quando você está mostrando, do ponto de vista objetivo em termos do que está acontecendo na cela não do jeito que Jamie está dizendo isso, mas vendo em tempo real. Então, você realmente está desconstruindo e reconstruindo, em seguida, as páginas do livro desde o início.



Anna, você dirigiu dois episódios enormes no início da temporada. Como isso aproximou você de "A Prisão Wentworth"?



FOERSTER: Eu acho que foi um enorme privilégio dirigir esses dois episódios, porque eu tive uma grande oportunidade para construir uma forte ligação com os atores. Eu acho que foi importante porque precisávamos confiar uns nos outros em direção a este, por causa de como a história estava ficando sombria. Um enorme nível de confiança era necessário. De certa forma, eu acho que criei uma possibilidade para todos nós de fazer esse tipo de trabalho que Ron estava descrevendo. Ele também me deu a oportunidade de descobrir como abordar certas coisas. Para mim, um dos maiores desafios foi retratar a complexidade do relacionamento de Jamie e Jack. Eu queria que fosse multifacetada, e não apenas sobre a punição.



Algum de vocês tiveram conversas com Diana para se preparar para "Prisão de Wentworth"? Será que ela teve alguma coisa que pareceu particularmente forte sobre saber que haveria algum nível de adaptação feita em trazer esta história para a televisão?



MOORE: Bem, Diana vê todos os contornos da história e os scripts. Houve algumas conversas iniciais com Diana nessa fase do jogo, principalmente tendo a ver com Jack, com o que ele iria ou não dizer. Nós jogamos com diferentes pontos de abertura com o que ele diz quando ele vem para dentro da cela. E alguns dos que não parecem funcionar muito bem. Ira Behr, que escreveu o 15, surgiu com Jack oferecendo a Jamie um negócio, um contrato. "Eu estou disposto a dar-lhe algo limpo, uma morte mais rápida em troca do que eu quero." E uma vez que chegamos a aquele lugar, parecia que as coisas estavam indo para algo melhor. Não está no livro e Diana apontou isso e nós conversamos sobre, e eu acho que, eventualmente, ela viu o que estávamos querendo.






Artigo Original¹ / Tradução Outlander Brasil

Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Lallybroch - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2016